Este exercício do pensamento, formado pelos 4 posts anteriores, levou a diversas conclusões a respeito da possível criação de deus pelo Universo e do Universo por deus.

Partimos no começo do pensamento do fato de que Deus não existia e acabamos por criar um deus com diversas características semelhantes às normalmente associadas a ele pela Religião, aproximando-o da onisciência, onipotência e onipresença. Isso nos leva a deduzir que a idéia da existência de Deus não é algo sem base ou irracional.

Também deduzimos que assumir que o ser humano é uma integração da matéria é o mesmo que assumir que somos robôs criados pelo Universo !
A teoria sustentada pelos materialistas leva a um paradoxo que é a formação de um deus imortal no interior de um Universo material que poderá evoluir por bilhões de anos e passar então a modificar, modelar e alterar a si mesmo e ao seu ambiente, semeando a vida em outros planetas e, potencialmente, podendo criar “Universos bebês” em laboratórios, tornando-se uma espécie de deus criador. Para as suas criaturas, seremos tidos como Deus.

Podemos provar que este universo nos criou primeiro e que então criamos outros seres, ou nós viemos depois e fomos criados primeiro por eles ? !!!

Concluimos que o Universo dos materialistas tem a capacidade teórica de criar deuses que, uma vez unificados por um comando central (hierarquia, decisão, agrupamento ou simplesmente fusão) poderá passar a agir com um único Ser, mesmo que em diversas pessoas e mesmo que essas pessoas não sejam imortais, bastando que este Ser se perpetue indefinidamente.

O Paradoxo da Materialidade poderá então ser assim formulado :

Se este Universo tem a capacidade teórica de criar um Ser Unificado Inteligente com um ciclo de vida indefinido, capaz de gerar novas formas de vida e transformar ou controlar o próprio ambiente e, possivelmente, criar novos Universos, então nosso Universo foi capaz de criar uma espécie de deus. Se o Universo cria a deus e deus cria o Universo quem terá surgido primeiro ?

Uma outra forma mais simples de apresentar o Paradoxo :

Se deus pode criar outras formas de vida que podem evoluir e se transformar em deuses, de modo que a criatura e o criador possam co-existir em dimensões separadas, com formas de vida e estruturas diferentes entre si, para cada uma ficará a questão: Somos os primeiros? Somos únicos? Somos criaturas ou criadores ? Deus existe ?.

Uma consequência do segundo paradoxo seria o fato de que se criaturas inteligentes forem formadas em algum planeta elas questionarão a si mesmas, a exemplo de nós mesmos, sobre a existência de Deus, como seu criador e a Religião provavelmente nascerá pelo temor da morte, para ter uma esperança de vida eterna. Por outro lado, a salvação de um indivíduo seria teoricamente possível se selecionássemos alguns elementos daquela comunidade “que valessem a pena continuar vivos” e o retirássemos de lá para a transformação de seu corpo em um “corpo glorificado” igual ao nosso, ou ainda mesmo após sua morte, se antes fizéssemos um “back up” de sua mente e personalidade, para “sua ressurreição no último dia”.

Não estamos assim “brincando” de deus ?

continuação :“Afinal, Deus Existe ? Conclusão”